sábado, 22 de março de 2008

É a pronúncia do Norte / Esta voz que sai mais forte!

Já o está a pagar bem caro. Basta olhar e ver. E a cada dia que passa, sem ministra da Educação, mais caro o pagará.
Ora vejam lá, meus senhores, professores "desalinhados" e estas pobres professoras a fazer "tristes figuras". Só não vê quem não quer ver.
Ora vejam lá também estes "pseudo-professores", uns autênticos holligans, que desceram a Lisboa, enchendo-a de "selvajaria".
E vejam a ousadia destes outros senhores "holligans" desalinhados, e destas outras senhoras a fazer "figuras tristes", que ousaram dizer não, e de cabeça erguida, recusam a humilhação.
E vejam a "pouca vergonha" desta senhora do cartaz que, decidida, exige respeito, e o "bando de malfeitores" que a segue, exigindo respeito também. Linda terra, a terra deles, que é a "minha" terra também.

17 comentários:

Eduarda disse...

«Não tenho barqueiro
Nem em de remar
Procuro caminhos
Novos para andar

Corre o rio para o mar
E há um prenúncio de morte»
(Rui Reininho-GNR)

O rio,no passado dia 8,transformou-se em mar:mar de indignação,mar de contestação.«E há um prenúncio de morte»!
Força,colegas,não esmoreçamos!
Uma Páscoa Feliz!

TempoBreve disse...

Corre rio para o mar, mas o prenúncio é de vida. Haja ousadia e coragem.
Seja a ousadia nossa companheira.
Feliz Páscoa.

Anónimo disse...

Gracinda disse...
Levou-me lá a indignação;trouxe de lá mais coragem.
Indignação e coragem estão comigo para continuar a lutar e a acreditar no rio onde nos juntamos.
Feliz Páscoa também e tenho inveja do António Mota por estar em Galafura...
Gracinda

José Coimbra disse...

Resolvidos os problemas técnicos,as fotografias lá chegaram ao blog.Do mesmo modo, o rio da nossa razão desaguará no mar da nossa vitória.

P.S.Envia-me estas e as outras para coimbraesousa@hotmail.com

Eduarda disse...

GALAFURA,Mota?!Galafura?!Que inveja!Soberbo local para esta altura!...E que altura(s)!
Dá um abraço bem forte àquele sítio-os socalcos- que tu conheces bem (e eu)e que nos leva ao espírito transcendente do poeta e que não posso deixar de o evocar:«O Doiro sublimado.O prodígio de uma paisagem que deixa de o ser à força de se desmedir.Não é um panorama que os olhos contemplam:é um excesso da natureza.Socalcos que são passados de homens titânicos a subir as encostas,volumes,cores e modulações que nenhum escultor,pintor ou músico podem traduzir,horizontes dilatados para além dos limiares plausíveis da visão.Um universo virginal,como se tivesse acabado de nascer,e já eterno pela harmonia,pela serenidade,pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar,ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes,ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro.Um poema geológico.A beleza absoluta.»-S.Leonardo de Galafura,8 de Abril de 1977
Amigo,que essa serenidade,esse silêncio e esse rio te retemperem a alma e te cubram de poesia para o novo canto que há-de vir...
PS:Deixa dormir o «menino» no serpenteado leito que a mãe natureza lhe deu.

TempoBreve disse...

Cara Gracinda!

É preciso continuar. Agora que passou, até parece que a manifestação foi fácil.
Agora há que canalizar a indignação para formas de acção que tenham mais por centro a escola onde estamos.
Galafura é um lugar onde vou com alguma frequência. Não se trata de romaria, embora, às vezes, pareça.
Já aqui publiquei duas fotografias que lá tirei.
Um abraço.

TempoBreve disse...

Caro José Coimbra!

Sim. O atraso deveu-se a questões técnicas. Vou publicar mais algumas fotografias.
O rio da nossa razão já nos deu algumas vitórias. Mas não há que adormecer à sombra de vitórias pírricas.
Se não conseguir enviar-te as fotografias todas, passo-tas para uma "pen" e mando-tas.
Um abraço.

TempoBreve disse...

Eduarda!

Galafura. Sim. Mas eu não vou lá abraçar vales, montes, vinhas, penedos ou rio. Eu vou lá como um eremita, e bebo tudo com o olhar. Quando lá vou, ou vou sozinho, ou isolo-me num penhasco afastado. Não quero sequer falar. Eu não sou crente, mas lá, apetece-me rezar. Mas o mais curioso é que nem leio o poema nos "azulejos" da capela.
Afinal, és assim tão invejosa?
:-)

Eduarda disse...

PUM!Mataste-me.

Elisabete disse...

Grande Eduarda! O prenúncio é de vida sim, Tempo Breve.
Por que será que essa meditação solitária em Galafura se parece tanto com a que gosto de fazer nas "Minhas Sete Cidades"?
Meus queridos amigos: Nem um passo atrás!
A minha pronúncia também é do Norte e faz coro com a vossa.
"Contai com isto de mim. P'ra cantar e para o resto."
Abraços

Eduarda disse...

Obrigada pela força,Elisabete,obrigada!Espera-nos uma maratona bem grande e precisamos de força anímica para a batalha que temos de enfrentar,e essa força também está e vem do Norte.A todos aqueles que querem ajudar,a todos aqueles que fazem questão em não esquecer os professores(em maré alta),o nosso reconhecimento sincero.

José Coimbra disse...

Será que fiquei viúvo sem saber?

TempoBreve disse...

"PUM! Mataste-me."
Oh, Eduarda, olha lá se a senhora ministra "sopra" isto ao Rangel. Fica logo como prova de que sou "holigan" irresponsável. E quanto ao desalinho, tu bem sabers como é. Mas eu não tenho culpa do meu cabelo ser rebelde.
:-)

TempoBreve disse...

Elisabete!

Porque é meditação, Elisabete! Porque é uma comunhão profunda entre o corpo e o espírito indistintos, e a natureza em que se expandem e dissolvem.
Há lugares que são assim. E que fazem de nós mais do que aquilo que nós somos. Ou será que esses lugares têm apenas o condão de nos darem o entendimento daquilo que podemos ser?
Eu conheço muitos desses lugares. Mas isso é outra história.
Sim. Nem um passo atrás. A não ser que seja para avançar dois em frente.
:-)

TempoBreve disse...

José Coimbra!

Aquilo é fingimento e mimo. Sabes bem como elas são. Foi só para te assustar, a ver se a mimas mais. É a tua "obrigação", claro.
Preciso do teu telefone.
Um abraço.

Eduarda disse...

Hooligans,inúteis,professorzecos,bando de preguiçosos,somos a vergonha de um país de 21(séculos)de Educação.(???)
Ensine-nos a ensinar, Senhora Ministra,vá lá!...

Eduarda disse...

P.S.Mais mimos?!