sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Isso é impulso

E se, de repente, você entrar aqui e não encontrar rastos recentes de mim, isso é impulso.
É o impulso que me leva a cumprir o meu dever de pão, e de apontar caminhos de pão; que me leva a vaguear por rua ou por praça a olhar sem ver, para descansar; que me leva sempre ao mesmo café para estar comigo, ou para ler, ou para escrever, ou para falar com quem queira falar; que me leva a correr para campos e montes, para não esquecer que, neste país, apesar de tudo, ainda há terra, e ainda há gente, que teima em viver; que me leva a outro lugar qualquer, a fazer outra coisa qualquer, que me dê forças para resistir, mesmo que passivo, a mandaretes autoritários que queiram fazer, do povo que sou, um povo imbecil, um povo indigente, um povo com medo, um povo impotente, como eles são.
Não vão conseguir. Esses senhores querem fazer crer que a legalidade da eleição e da nomeação lhes dá competência também. Mas sabem bem que não. Não vão conseguir. Hipócritas que são, esses senhores, principalmente os menores, os mais paus-mandados, escondem-se em silêncios, e mordem de furto. Mas não vão conseguir. E quando isto mudar, para manterem o lugar, vão ser os primeiros a dizer que sempre estiveram do lado dos ofendidos e humilhados - os que eles mesmos ofenderam e humilharem, quer por acção, quer por omissão.
Para amenizar a coisa, e não indispor ninguém - que eu digo tudo com muita inocência, e só a brincar -, voltemos ao princípio:
- Se, de repente, você entrar aqui e vir rastos recentes de mim, fique sabendo que isso é que é mesmo impulso, e que os deixei aqui de propósito para si.
:-)

21 comentários:

águamar disse...

Também me apeteceu viajar e andei por aqui,à procura do zul da água e do céu da vinha. Foi impulso.
Vá ao inacabado e sem título e entre a terra e céu e durma bem.

Anónimo disse...

Também me deu um impulso danado,Tempo,para voar pros lençóis
-hoje está um frio de «rachar», até
prás vontades.
Meta-se nos lençóis,meta-se!

lucordeiro disse...

Esse seu impulso foi de grande valia: denunciar os hipócritas que estão mandando e cometendo desatinos. Parece que tanto aí como aqui a coisa é a mesma.Então, ceder ao impulso de ir ao café, como vc faz porque aí está muito frio, se iguala ao meu impulso de ir à praia e me encontrar mais feliz quando mergulho no mar: esse Atlântico que nos separa fisicamente, mas não no dia-a-dia de nossos povos sofridos.
Beijos.

Anónimo disse...

Mas que raio de cordeiro que só foge pro mar!Olhe quinda se pode afogar e afoguear!!!

BEM-ME- QUER disse...

"Que chega a fingir que é amor
o amor que deveras sente"(?)

Bemmequer disse...

É impulso o amor ou flor ou dor?Seja lá o que for...É!

Violeta disse...

Mas o que faz o impulso?Sossegar? Excitar a vontade ? Magoar? Agradar? Desagradar? Bendizer?Maltratar? Confessar? Acariciar?
Condenar? Partilhar?Acabar? Apetecer? Denunciar? Matar? Fruir?

Rosinha disse...

E se de repente, eu salyar da cama e abrie esta janela para lhe mandar pétalas de beijo nesta manhã a florir, é só impulso.

TempoBreve disse...

Fui a esses sítios antigos, e as novas palavras que lá encontrei deram-me outras que por lá deixei. Das que encontrei, gostei; e das que deixei, acho que também.
Obrigado por ter voltado com este nome, e pela oportunidade que me deu de escrever o que escrevi.
Não li a tempo o seu "durma bem". Mas acho que dormi.
:-)

TempoBreve disse...

Caro anónimo:

Esse impulso de voar para o vale dos lençóis é muito saudável, e até agradável. Uma vez nele, recorra às vontades, e vingue-se do frio, rachando-o a ele.
Obrigado por ter vindo. E por esse conselho tão sábio.
:-)

TempoBreve disse...

Olá,Lu Cordeiro!

Que prazer o meu em vê-la por cá!
Gostei de ficar sabendo que nos irmanamos na antipatia contra a hipocrisia desatinada, que aproveita a poucos, de forma indevida, e sacrifica os povos, numa injustiça plangente.
Gostei também de saber que nos irmanamos nos gestos mais simples que vão dando à vida pequenas fracções de felicidade: qual seja ir ao café, ou entrar no mar. Fique sabendo que o mar também me fascina, e que entro nele, como quem entre num templo, que me leva a um tempo primordial. E eu acredito que você também gosta de ir ao café.
Como vê, o Atlântico, se por um lado nos separa, por outro nos une. E une-nos também a lingua com que vivemos, com que sentimos, com que protestamos, com que amamos.
Já falei aqui da minha paixão também pelo mar. Mas não lhe sei dar agora o título dos textos ou do texto. Mas isso não é importante.
O importante é que lhe quero dizer que aquilo que escrevi em "O Alienista", do Machado de Assis, e em "Amazona e guerreira" não era nenhuma crítica chauvinista ou para si. Mas, se leu, você entendeu certamente.
Gosto muito que venha até aqui: primeiro por ser você; segundo, por ser brasileira.
Eu acredito que o humanismo um dia há-de triunfar; acredito mesmo que isso está continuamente a acontecer. Mas a um ritmo lento e desesperante. Mas ainda vamos a tempo. É preciso é falar e escrever.
Um beijo para si.
:-)

TempoBreve disse...

Caro anónimo:

Como pode ver no comentário acima deste, o cordeiro é cordeira. E não "foge" para o mar; "corre" contente para o mar, o que é um pequeno prazer que os "cordeiros" que somos ainda podemos ter. E você também.
Mas tenha cuidado, que o mar é fundo; e, claro, como tem fogueiras nele escondidas, pode acontecer que se afogueie. Mas isso até é bom.
Obrigado pela sua visita e pelo seu comentário.
:-)

TempoBreve disse...

BEM-ME-QUER:

Sim. "Que chega a fingir que é amor, o amor que deveras sente." O amor é essência de vida. E a vida sem a essência é cadáver. E o amor e a flor e a dor são impulso. Mas são muito mais que isso. Por isso os sentimos tanto.
Ao longo dos meus textos, e com a ajuda dos seus comentários, voltarei a esta questão.
Oxalá que a si, no jogo do "bem-me-quer", lhe calhe sempre o "bem".
:-)

TempoBreve disse...

Violeta!

E dizia-lhe um segredo acerca de flores, mas não o vou fazer agora, que pode estar distraída, ou não ter tempo para ler.
Mas digo-lhe que a arte do perguntar é muito mais importante que arte do responder. E é isso que eu penso das perguntas que aqui fez. Pelo modo que as fez, eu sei que sabe a resposta.
Eu respondo com um sorriso para si, para si que é "violeta".
:-)

TempoBreve disse...

Olá, rosinha!

Você é a "rosinha do meio", "a rosa da oliveira", "a rosa de Alexandria" - que está nas canções populares; ou será a popular "Rosa do Adro", do desconhecido Manuel Faria Rodrigues, imitando Júlio Dinis; ou será a ascética "Rosa Mystica", de S. Francisco Xavier; ou será "O Nome da Rosa", do senhor Umberto Eco?
Duma coisa eu estou certo: se de facto acontecer - como parece que sim -, o impulso de que fala, então é porque você é mesmo rosa, com cachos de flores no peito, e outras mais resguardadas, de pétalas mais delicadas, protegendo-as do frio, e protegendo-lhe as cores.
Porque vai voltar aqui, quero avisá-la duma coisa: estão aqui muitas flores: umas são bem visíveis; outras nem tanto assim. Escolha as que quiser, que só as que quiser são para si.
Obrigado por ter vindo. E pelo impulso mentiroso.
:-)

J.Miguel disse...

Não há dúvida de que este tempo de sol faz bem às flores.
Interessante este jardim que voçê anda a plantar.Só desejo que as flores não se zanguem...
Mas seria engraçado!
As suas flores também estão de parabéns. E você previna-se porque vai precisar de muita água para as manter assim viçosas.
Um dia destes vou desafiá-las.
Abraço.

TempoBreve disse...

J.Miguel:

O sol faz-lhes sempre bem. E como tem estado sol, elas teimam em abrir suas pétalas em palavras.
E eu gosto de as ver, nessas pétalas coloridas que vão deixando aqui, para mim e para si, para elas e para nós.
Não sou eu o plantador, mas cuido um pouco do jardim, e até arranjo os canteiros, para que gostem de cá vir.
Agora, você assusta-me com essa história de zangas. Isso não vai acontecer, só se mesmo for por graça.
Você tem toda a razão ao dar os parabéns às flores, pois só elas os merecem.
Quanto ao problema da água, já sei como o resolver: vou recorrer a amigos e a vizinhos que tenham boas nascentes. Já tenho uma lista de nomes, o seu está entre os primeiros.
Desafie-as, desafie-as!
Um abraço para si.

Botafogo disse...

Então vai recorrer aos amigos? Não tem pedalada para todas?Será que o tempo já fez assim tantos estragos?

Anónimo disse...

Eu voltei com esse nome, você ficou contente e eu fiquei com aquela alegria de quem sabe que você foi porque lhe foi pedido que fosse.
Foi por isso que cumpri o pedido que, como foi prometido, foi retirado.
Vai um beijo?

TempoBreve disse...

Botafogo:

São mais as vezes que nós estragamos o tempo do que os estragos que o tempo nos faz.
Obrigado pela sua visita.

TempoBreve disse...

Cara anónima:

Eu fui ao texto "Entre terra e céu" e tinha lá mais um comentário a que respondi. Espero que o tenha lido. E que tenha gostado.
:-)