quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Libertem-me as aves

Bem-vindo seja você, que chegou agora aqui. Pare um bocadinho. Respire fundo. Conte até três. Fique tranquilo. Fique em calma e paz. Se estiver contente, mostre que está; mas se não estiver, não finja que está, que esse fingimento, não vai ajudar.
Não lhe digo isto para lhe agradar, mas porque sou egoísta, e preciso de si para me queixar.
Tenha paciência!
Como pode ver, nos últimos tempos, têm escrito aqui, no Tempo e nas Peles, uns comentários que, ora mais merecidos, ora mais piedosos, me deixam contente. Mas fica-me sempre uma sombra a obscurecer essa satisfação humilde.
Dir-me-á que é soberba minha a pedir ainda mais. Mas não. A razão dessa sombra é bem outra: dão-me comentários simpáticos para os filhos de Outubro; mas não me dão nada para aquelas aves simples que deixei guardadas como filhas de Julho. E isso é injusto, não é? E a injustiça deve ser reparada, não deve?
Faça-me então o favor de ir até ao arquivo de Julho, e abra-me aquela gaiola, a ver se aquelas aves se libertam e voam, a ver se as vêem. Depois volte aqui e diga-me que fez o que eu lhe pedi. Ficarei sossegado. E ficar-lhe-ei grato. E ao seu dispor.

14 comentários:

Belinda disse...

Já respirei fundo e já contei até três.Um, dois,três...abri a gaiola.
Gostei do hino ao pisco(1ªestória).
...E nela mora a criação!Está TUDO ali.

Anónimo disse...

Virei com mais tempo e mais demora falar dos deus pássaros,que eles são merecedores de uma atenção sem pressas. Que quer que lhe diga? Que nem ouso falar de tão comovida que fiquei? O seu blogue é o seu retrato:naturaza a somar a liberdade, pássaros a gozar a liberdade de viver em natureza e um blogue feliz pela cumplicidade com estes actos de amor que você tem a generosidade de compartilhar.
Aguamar

TempoBreve disse...

Belinda!

Com que então, respirou fundo e abriu a gaiola! "O pisco do mais lindo canto" ficou contente.
Cabe-me a mim, agradecer-lhe a si o contentamente que a ele lhe deu, e a mim também. E agradecer também a "O pisco", poema, que é a primeira história, e que deu causa à segunda.
Não fiquei com a certeza a qual das histórias você chama a primeira. Mas isso é o menos, não é?
Obrigado por ter aberto a gaiola e ter lido e ter gostado e dito.
:-)

TempoBreve disse...

ÁguaMar!

As aves agradecem já a atenção que lhes deu. E agradecem já também a intenção que diz de os voltar a "abrir".
Bastar-me-ia uma pessoa que se comovesse um pouco com um texto meu para me sentir contente, fosse essa emoção derramada do texto,ou fosse ele a chave que a abriu do peito de quem já lá a tinha. Isso pagaria em excesso todo o trabalho que a escrita dá.
Obrigado por ter percebido que eu tento dar-me em alguns dos textos. É que se me désse neles, eles falariam de mim; e falando de mim, também falariam de si; e se falassem de si, falariam de nós. Não só de si e de mim, mas de todos nós.
Eu sei que não consigo tão nobre propósito. Mas obrigado por ter visto uns resquícios dele naquilo que leu. E é verdade que tento pôr neles aquilo que disse.
:-)

Nota: Ao enviar comentário, em vez de "anónimo", seleccione "OUTRO" e assine "ÁguaMar". Vai ver que fica melhor.
:-)

aguamar disse...

Vamos lá a ver se os seus ensinamentos dão frutos. Vou tentar seguir os conselhos de quem sabe. Vamos lá à experiência. Agora dirijo-me à Graça Grega:que é feito de si? Já estava habituada a vê-la neste blogue.Você era a mais madrugadora, A primeira a abrir os olhos para este blogue.Está de saúde, De férias,ou anda a ver se descobre outra graça que não grega?
Agora para a belinda: é irmã da blimunda? Terá conseguido ela recolher as "vontades" para a passarola conseguir voar?

TempoBreve disse...

O ensinar requer mestria, a mestria que eu não tenho. Mas como a coisa era fácil, e você parece esperta, o ensinamento deu fruto.
A Graça anda arredia, o que não tem graça nenhuma. Espero que esteja bem. E que nos visite em breve, para dizer "estive aqui".
Que é isso da Blimunda? Que é isso da irmã sua, que sugere ser Belinda? Que é isso das vontades?
Blimunda, ai, Blimunda, onde param tuas filhas, para ver se ainda há "vontades", que acordem Portugal!

Nota: Eu não lhe disse que ia ficar melhor?

Blimunda disse...

Portugal toma excesso de sodoríferos, logo está irremediavelmente sonolento, com uma modorra que mete dó.E o pior é que por falta de forças, mete os seus filhos bastardos em trabalhos forçados, obrigando-os a pasmacear, longe dos piscos e das corujas e dos melros .Cadé do mimino do sal qui nos salvé?"Eu sei dum ninho..."(:»
Blimunda

GraçaGrega disse...

Tempobreve, não, não estou doente,
estou de óptima saúde e sempre com a mesma boa disposição que me é costumeira.
Sou assim, já nasci assim, como diria a Grabiela Cravo e Canela..rs
Tenho vindo sempre espreitá-lo, apenas não lhe deixei nenhum comentário não vá o diabo tecê-las.:-))
Enredos há que me fizeram travar a caneta, não fosse a minha boa disposição incomodar alguma alma mais sisuda, talvez aquelas "ensismemadas" e "embiocadas"...rs
Vá-se lá saber porquê! ( onde é que eu já li isto?..:-))
Nunca pensei que graças mesmo sendo gregas provocassem tantos azeites..:-)

Aguamar obrigada pela sua preocupação mas como pode ler em cima estou mesmo bem.
Não se preocupem! sou pessoa de bom astral e assim pretendo continuar.
Não quero descobrir outra graça aguamar, gosto demais da minha GraçaGrega, é o meu tesouro, a luz dos meus olhos...:-)))
Beijo para os dois.

GraçaGrega disse...

E não é que troquei o nome à Gabriela?
Ainda bem que ela não me vem ler..rs

Aguamar disse...

Olá GRAÇA GREGA!
O véu, quanto mais escondido, mais apetecido.
Valeu a pena puxarr:) por si...
Além do mais, vê-se que é leitora atenta e curiosa...
O seu nome é lindo e muito musical,por isso deve preservá-lo como quem preserva um instrumento cuja voz suaviza o ar.
E o tempo breve merece todas estas visitas, porque a sua voz escrita e as imagens que oferece são uvas que apetece comer.
Gostei de a ver:)
Aguamar

Justa Causa disse...

Estou a ouvir Amália Rodrigues a cantar um Mariachi (!), Fallaste Corazón, de Cuco Sánchez, numa gravação de 1955, o que requer muito silêncio para não ouvir o ruído de fundo dos carros na rua e muita paciência para não ouvir o ruído dos carros na própria gravação.
Sabia que Amália cantava quase tudo mas não sabia esta dos mariachis.
E anda isto escondido no baú de um gajo qualquer que não percebe o que tem nas mãos.
O disco chama-se "Amália Rodrigues, Fados e Flamencos".
Pois, mas mariachi é mariachi, flamenco é flamenco.
É como incluir um samba num disco de fados (já tangos, boleros e até mornas é comum).

TempoBreve disse...

Olá, Blimunda!

Que prazer em revê-la! Foram tantas e tantas as vezes que a vi! Nem imagina! Antes de ser tão famosa como o é agora. Mas mesmo agora, gosto de a rever.
Você não é ela, mas, como a gosta dela, você é ela também
Vou perguntar-lhe uma coisa:
- Você sabia que há quem diga que você é a figura feminina mais linda que a Literatura Portuguesa tem?
Que me perdoe o Camões.
:-)

TempoBreve disse...

GraçaGrega!

Ainda bem que voltou. Ainda bem que está de saúde.
Venha cá sempre que a vontade o permita, já que o interesse em vir, esse não lho posso garantir. Mas espero que goste, duma coisa ou doutra. Mas não seja exigente, está bem?.
Quanto aos comentários, deixe-os ou não. Mas não se importe com o diabo, que é meu amigo, e eu não deixo que ele teça peças sem jeito.
As palavras que cita, acredite, não têm a intenção que lhes deu.
Acredite, sim?
Sim. Graça Grega é nome que aceito. Ia até dizer que é nome que gosto. Ao contrário doutros, claro.
Volte, sim? E leia, sim? Ai de si, se não!
:-)

TempoBreve disse...

ÁguaMar!

Obrigado por me ter ajudado a ir buscar a Graça, e pelo que diz que eu mereço, embora eu não mereça o que você diz.
:-)